Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2015

O JUÍZO DO DIREITO

Imagem
O JUÍZO DO DIREITO / Júlio Paiva

O homem tomou leve a gravata de cor vinho com uma estamparia clássica para a representação do rito, um nó, lento, tranquilo, que lhe apertava o pescoço por conta do sacrifício do ofício, é entrar no carro e dividir a conduta com outros motoristas que sem juízo ocupavam seu espaço sem ter seus títulos reconhecidos e devidamente emoldurados nas paredes dos seus ofícios, reclamava, de que medalha ou honraria ostenta esse Opala, último tipo, é verdade, mas não dá um cavalo de pau, como faz o meu Dodge Dart marrom no asfalto desta avenida, dividida em mais de cem motoristas e nada anda por culpa desta política torta, e ainda insisto: veja, aquele fusca preto não é um alemão negro, ora bolas, se todo fusca é alemão, cadê o branco, por que acreditam que aquele preto dirigi como um ser humano, e ainda querem que eu acredite que aquela perua, colorida como um artista de rua, cheia de verduras cruas, trabalha pela pátria, é claro que não, cadê a placa, eu anoto, …